Banco Central anuncia novas regras do Pix para melhorar (ainda mais) a forma de pagamento

Escrito por: Letícia Santana

Um jogo que todos os lados ganham só é possível se o criador o fizer pensando nesse objetivo. Assim é o pagamento instantâneo! O Banco Central trouxe algumas mudanças no Pix para melhorar todas as experiências. Confira mais sobre neste texto!

Um jogo que todos os lados ganham só é possível se o criador o fizer pensando nesse objetivo. Assim é o pagamento instantâneo! O Banco Central trouxe algumas mudanças no Pix para melhorar todas as experiências.

Até o final de agosto de 2021, o número de chaves Pix registradas no Brasil passavam de 300 milhões. Os usuários estão cada vez mais apaixonados por esse meio de pagamento e os porquês giram em torno da praticidade e do fácil acesso que ele possui. Dessa forma, o Banco Central, que deu origem à modalidade, não só deve, como está buscando todos os dias, caminhos para evoluir a experiência dos usuários, propondo novidades e mudanças no Pix.

Depois de anunciar no mês de junho o Mecanismo Especial de Devolução com o objetivo de reduzir fraudes dos usuários e falhas operacionais das instituições bancárias, o BC traz agora um conjunto de medidas igualmente importantes. No entanto, o Mecanismo de Devolução tem previsão para novembro, enquanto que as novas regras anunciadas dia 27 de agosto ainda não estão previstas para entrar no jogo. No final das contas, a ideia é que todos os lados ganhem, o que vai desde o consumidor que usa o Pix diariamente, até as lojas físicas e e-commerces que fornecem o pagamento instantâneo.

O prêmio para todos os casos é a segurança durante as operações. Mas, voltando a alguns capítulos, é importante saber o contexto dessas mudanças e quem é quem nesse tabuleiro para depois explicar em detalhes o que significam cada uma dessas alterações. Continue acompanhando este texto para saber tudo isso e muito mais!

O que são os golpes do Pix?

A motivação para as novas regras do Pix é a segurança do pagamento instantâneo. Mas calma, isso não quer dizer, em hipótese alguma, que o Pix é inseguro. MUITO PELO CONTRÁRIO! A modalidade de pagamento é indicada para o varejo online e físico, contando com uma série de artefatos para proteger as transações.

Usando uma analogia, imagine que você deseja entrar em uma casa. Para isso, portanto, seria necessário algumas etapas, como abrir o portão da garagem, passar pelas grades fechadas com cadeado e abrir a porta, para só depois chegar aos cômodos.

Tais camadas de segurança que protegem uma propriedade, existem no Pix também. Para entregar os serviços de forma efetiva, o pagamento instantâneo foi criado com muita cautela pensando nessas questões, usando, por exemplo, criptografia. Tudo isso é alinhado às aplicações dos próprios bancos, que contam com senhas para acessar o app, senhas antes de finalizar a compra e autenticação de dois fatores. No geral, as duas coisas garantem mais segurança durante todos os processos. E aí você deve estar se perguntando qual é o problema.

Recentemente, o pagamento instantâneo tem sido alvo de fraudes e golpes de usuários mal intencionados/quadrilhas criminosas. Na prática isso significa que a pedra no caminho do Pix tem sido, sobretudo, o modo com que pessoas específicas têm usado a forma de pagamento para finalidades que vão além do objetivo central do Pix, ou seja, a engenharia social. Aqui, os golpes são orquestrados pensando na vulnerabilidade das pessoas que usam o pagamento instantâneo.

Nessas situações, a falta de informação sobre o mundo financeiro acaba colaborando muito para o objetivo dos criminosos. Os golpes mais comuns, segundo a Febraban, envolvem os aplicativos de mensagem e o envio de links falsos. Logo, o tema merece a atenção especial de quem está usando o Pix e também dos e-commerces, que oferecem essa modalidade de pagamento.

Pensando nisso, além das principais dicas para se proteger contra os crimes com o Pix, o Banco Central está com algumas ações para tirar, de uma vez por todas, esses empecilhos da jornada dos usuários, do varejo e da sociedade como um todo, que pede cada vez mais meios de pagamento que caminhem para o futuro.

O BC é uma instituição séria com autoridade no assunto, uma vez que foi a responsável pela criação do Pix, portanto, ouvir o que ela tem a dizer é crucial. Da mesma forma, a Spin Pay está à disposição dos varejistas para tirar qualquer dúvida em relação à proteção dentro de suas plataformas. A transparência vem em primeiro lugar! Acesse a nossa Política de Privacidad e a nossa Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro para saber mais.

Por dentro das mudanças no Pix

O uso do Pix cresce todos os dias desde o surgimento da modalidade – ainda mais tendo em vista o contexto pandêmico. Só no segundo trimestre de 2021, o uso do pagamento instantâneo no varejo dobrou, indo de 1,16% para 2,16%. Observando esse e outros dados, uma coisa ficou estabelecida por quem gerencia a tecnologia: moldar o Pix constantemente às demandas da sociedade é uma coisa que nunca sairá de pauta.

Logo, considerando os problemas que envolvem o seu uso por parte de usuários mal intencionados, o BC apresentou algumas mudanças para assegurar o melhor para quem ama pagar de uma forma simples e instantânea. Sem mais delongas, vamos conhecer cada uma das regras do Pix, apresentadas também em nota oficial do Banco Central:

  1. Entre o período de 20h até 6h, as operações financeiras de pessoas físicas e MEI não poderão ultrapassar o limite de 1.000 reais. Essa mudança afeta também outros meios de pagamento, como débito e TEDs;
  2. Agora o usuário poderá também estabelecer diferentes limites das transações realizadas através do Pix. Aqui, poderá ser possível um limite para os períodos da manhã e outro para a noite, por exemplo. Não é demais?
  3. Seguindo às mudanças, o BC estabeleceu também que nos casos em que o usuário do Pix queira alterar o limite de R$1.000, será necessário realizar a solicitação via canal digital. O prazo para os pedidos é de no mínimo 24h e máximo 48h;
  4. Nesse mesmo sentido de “personalizar o uso do Pix”, você também poderá cadastrar as contas das quais deseja abrir uma exceção. Isso significaria estabelecer quem pode receber um Pix seu acima do limite padrão estabelecido dentro da sua conta;
  5. Fora isso, também será necessário um prazo de 24 horas para cadastrar previamente as contas nos canais digitais. O Banco Central explica que a etapa é importante, pois evita o “cadastramento imediato em situação de risco”;
  6. Outra mudança importante diz respeito à obrigatoriedade do supervisionamento de contas que possuem indícios de fraudes. As contas suspeitas serão registradas no DICT - Diretório de Identificadores de Contas Transacionais;
  7. Uma das alterações do Pix exigem que os participantes do meio de pagamento controlem as transações que envolvem as contas com indícios de fraude marcadas no DICT (tópico anterior);
  8. As novidades no Pixpara evitar golpes trarão bloqueios de transações para analisar algum risco nas operações. De qualquer forma o usuário será avisado e essa restrição vai durar 30 minutos na parte do dia ou 1 hora à noite;
  9. Outra novidade permite consultar o DICT para prevenir fraudes e golpes e nessa mesma direção, os bancos agora deverão contar com controles adicionais em torno disso. A ideia é que as instituições deixem à disposição do BC os dados necessários para controlar esses problemas;
  10. Uma das regras exige o histórico de comportamento e de crédito. Isso deve estar disponível para que as empresas possam analisar cartões suspeitos, reduzindo assim a chance de operações fraudulentas;
  11. As empresas deverão, da mesma forma, colaborar com a disponibilidade de informações, compartilhando detalhes sobre as transações inadequadas;

A evolução do Pix não para!

Além das alterações explicadas anteriormente, a evolução do pagamento instantâneo caminha com o lançamento de funções super legais, como o Pix Saque e o Pix Troco. Mas calma, isso é assunto para outra conversa! No geral, o que vale dizer é que o Pix foi feito pensando em uma experiência mais agradável para todos e essas novas medidas provam exatamente isso.

O Banco Central tem essa missão, mas não só ele. Aqui na Spin, o compromisso é o mesmo: trazer a melhor jornada de pagamentos com o Pix para os clientes. Para isso, a Spin Pay oferece o Spin Checkout, solução de Pix para as plataformas de e-commerce! Pagar com segurança, simplicidade e agilidade é o principal objetivo. Tanto é verdade que agora somos parceiros de quem preza pelo mesmo.

O Nubank agora é um aliado da Spin nessa tarefa e, para esse jogo, fazemos a nossa parte e mexemos todas as peças para todos os lados ganharem. Varejistas e consumidores, o futuro dos meios de pagamento promete e, para isso, o Pix é todo de vocês.

Leia também: